Massa de ar frio vai alcançar metade dos estados brasileiros

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

Uma massa de ar frio que vai ingressar no começo da semana que vem no Sul do Brasil e vai se reforçar sobre o território brasileiro entre os dias 18 e 20 deste mês não apenas será de maior intensidade. O que mais vai chamar a atenção neste episódio de frio será a sua extensão com a incursão fria atingindo ao menos metade dos estados do Brasil com declínio muito acentuado da temperatura.

Massas de ar frio com grande amplitude territorial no Brasil tradicionalmente ocorre durante os meses de inverno, particularmente entre junho e agosto, mas em algumas ocasiões podem ser registradas em maio e em setembro, e muito excepcionalmente mesmo em abril e outubro. São incursões de ar frio de trajetória continental em que a advecção de ar frio se dá pelo interior do continente, avançando pelo Norte da Argentina, Bolívia e o Paraguai até chegar ao Peru e o Sul da região amazônica.

Esta erupção de ar polar mais forte e mais cedo do que o comum vai antecipar a chegado inverno ao Brasil em um mês. Será a mais forte até agora no ano a alcançar o território brasileiro e trará as menores mínimas de 2022 até o momento na maioria dos estados do Centro-Sul do Brasil. Há expectativa de marcas abaixo de zero nos municípios tradicionalmente mais frios e de geada em estados do Sul, do Centro-Oeste e do Sudeste.

A grande dimensão territorial desta massa de ar frio fará com que haja resfriamento em uma extensa área do território brasileiro com frio mais intenso no Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, mas a temperatura deve ter queda acentuada ainda no Rio de Janeiro, Espírito Santo, Distrito Federal e até em parte da Bahia e do Sul da Amazônia Legal.

A abrangência da massa de ar frio fará com que muitos estados registrem geada e de moderada a forte intensidade em diversos locais. Espera-se geada nos três estados do Sul e em muitos pontos do Centro-Oeste e do Sudeste, inclusive em locais mais ao Norte do Brasil Central, como o Mato Grosso e Goiás, onde ocorrências de geada em maio são menos comuns. Com isso, há riscos para diversas culturas que vão do milho segunda safra ao café, porém, em especial, para as frutas e hortaliças em momento que já é de grande alta de preços no mercado pela conjuntura econômica inflacionária.

CENÁRIO SINÓTICO LEVARÁ AR GELADO MAIS AO NORTE QUE O HABITUAL EM MAIO

O frio será intenso em alguns dias no Sul do Brasil, mas em parte deste evento a ocorrência de chuva e a presença de muitas nuvens vai frustrar mínimas muito baixas e trará tardes frias com máximas abaixo da média histórica. Isso porque um centro de baixa pressão vai atuar e favorecer o tempo instável. Este centro de baixa pressão, que pode adquirir características de um ciclone, impulsionará o ar frio pelo interior do continente. Por isso, o resfriamento será acentuado em estados mais ao Centro do Brasil, especialmente do Centro-Oeste e de parte do Sudeste.

Temperaturas até 10ºC abaixo do normal para o mês de maio poderão ocorrer em pontos do Centro-Oeste à medida que o ar gelado impulsionado pela baixa pressão avançar pelo Norte da Argentina e o Paraguai até estados como Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás.

Uma bolha de ar gelado vai se desprender da região antártica, a Leste da península antártica, no Mar de Weddell, onde nos últimos dias foram observadas temperaturas muito abaixo do que é comum em maio, e avançará pelo Atlântico Sul até alcançar o Sul do Brasil e depois o Sudeste. Uma série de baixas pressões no Sul do Atlântico garantirá que o ar mais gelado se desloque na direção Norte Norte até o sistema na costa meridional do Brasil que será o definitivo para “jogar” a massa de ar polar pelo interior do continente.

Não é um cenário inédito no mês de maio dentro das referências históricas. No final de maio de 1979, várias áreas de baixa pressão no Sul do Atlântico e uma que formou ciclone a Sudeste do Rio Grande do Sul impulsionaram uma massa de ar muito gelado pela América do Sul com uma frente fria muito ativa que se deslocou pelo Brasil.

A circulação do ciclone ao interagir com o ar gelado em 1979 foi o que provocou um evento expressivo e histórico de neve no final do mês no Sul do Brasil. É o episódio que muitos ainda têm na memória pela neve ocorrida no jogo entre Esportivo e Grêmio, no Estádio da Montanha, em Bento Goncalves, o famoso “jogo da neve”.

Enfatiza-se que não se está a afirmar que haverá uma repetição do que se testemunhou em 1979, até porque no evento da década de 70 o ar polar era muito mais intenso e hoje a condição para a neve semana que vem é muito limítrofe, e sim se está a assinalar a relativa semelhança entre os cenários sinóticos do final de maio daquele ano com que os modelos numéricos projetam para a próxima semana no Brasil com baixa pressão no oceano e uma grande incursão de ar gelado pelo interior do continente com uma frente fria no Brasil Central.

CENTRO-OESTE E O SUDESTE PODEM TER FRIO INCOMUM PARA MAIO

Os estados do Sul terão geada em diversas cidades e mínimas muito baixas com marcas negativas em parte da semana que vem e no começo da outra semana, mas que, no geral, não devem fugir ao que várias vezes já ocorreu no final de maio e durante os meses de inverno na região, portanto nada que gaúchos, catarinenses e paranaenses não estejam acostumados. No ano passado, por exemplo, a temperatura chegou a 2ºC em Campo Bom, na Grande Porto Alegre, no fim de maio, marca que talvez não seja atingida na cidade neste evento de frio.

Onde o frio promete chamar muita atenção porque desviará bastante do padrão histórico desta época do ano será no Centro-Oeste e em parte do Sudeste do Brasil. Os dados de hoje indicam que estados do Centro-Oeste teriam temperatura muitíssimos inferiores aos padrões climatológicos mensais e que algumas áreas do Sudeste, principalmente em São Paulo e Minas Gerais, da mesma forma teriam temperatura muito mais baixa do que se costuma registrar em maio com mínimas que não se observa nesta época em algumas cidades há muitos anos.

Conforme os modelos numéricos analisados hoje, e por serem projeções para uma semana à frente estão sujeitas a mudanças nos próximos dias, mínimas muito baixas ocorreriam em estados como o Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás (incluindo o Distrito Federal), São Paulo, Minas Gerais e até em áreas do Rio de Janeiro.

Se no Sul do Brasil, o frio mais intenso já se faria se sentir entre segunda (16) e terça (17), na cidade de São Paulo o tombo da temperatura somente deve ocorrer na metade da semana que vem com mínimas de 7ºC a 9ºC no Mirante de Santana na quinta (19), sexta (20) e sábado (21). Outros pontos da capital paulista, na rede da Prefeitura, especialmente mais ao Sul da cidade, devem ter marcas menores e geada. No interior paulista, mínimas abaixo de 5ºC em várias cidades na segunda metade da semana que vem com geada em muitos pontos.

Na metade da semana também deve chegar o frio ao estado de Minas Gerais, onde se espera geada em muitas localidades do Centro, Oeste e o Sul mineiro. Mesmo na Grande BH existe a possibilidade de gear. Isso porque as mínimas quinta, sexta e sábado devem fica entre 6ºC e 9ºC na capital mineira. No Triângulo, Uberlândia deve ter 7ºC a 8ºC com marcas menores e geada em outras cidades da região que são mais frias. No Centro-Oeste, o ar mais frio invade a região entre terça e quarta e trará madrugadas muito frias na segunda metade da semana que vem, especialmente no Mato Grosso do Sul. Campo Grande por ter marcas de 7ºC a 8ºC de quarta até sábado da semana que vem. No interior, mínimas abaixo de 5ºC em diferentes cidades com geada. No Mato Grosso, o resfriamento deve ser muito mais intenso que o normal para maio e deve mesmo gear em algumas localidades em pleno maio. A temperatura pode cair a 12ºC ou menos em Cuiabá.

Facebook Comentarios

Leave a Reply

Your email address will not be published.