MP pede intervenção no Hospital Municipal e afastamento do diretor

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

A 9ª Promotoria de Justiça de Foz do Iguaçu, recomendou nesta terça-feira (21), ao prefeito Chico Brasileiro (PSD), o afastamento temporário do diretor-presidente do Hospital Municipal Padre Germano Lauck (HMPGL) e a intervenção administrativa da unidade. O prefeito tem prazo de 20 dias para resposta.

Entre as considerações do promotor Luis Marcelo Mafra Bernardes da Silva, estão informações prestadas pelo presidente do Conselho Fiscal da Fundação Municipal de Saúde, contando sobre pagamentos de horas-extras não executadas, no primeiro trimestre de 2022, no valor de R$ 250 mil.

A recomendação da Promotoria ressalta ainda, declarações prestadas pelas empresas de ortopedia e traumatologia, de ausência de ambiente estéril e seguro para realização de cirurgias, como materiais não esterilizados conforme normas de biosegurança, porta de acesso ao respectivo local danificada a impedir o isolamento total com o corredor e mosca abatida no centro cirúrgico na sala cirúrgica.

– carência de materiais ou, até mesmo em quantitativo insuficiente e/ou qualidade inferior, para a regular vazão das cirurgias devidamente programadas nos mapas cirúrgicos diários, fatos estes retratados pela ausência dos seguintes insumos/equipamentos;

– ausência de manutenção adequada dos equipamentos utilizados nos atos
cirúrgicos, tais como: perfurador, caixa de haste, fresas, chaves incompatíveis para o tamanho dos parafusos disponíveis, mesa de tração com defeito impedindo o emprego da técnica adequada ao procedimento cirúrgico e materiais que vieram a quebrar durante o ato cirúrgico;

– ausência de refrigeração adequada nos centros cirúrgicos a evitar o suor
excessivo da equipe durante o ato, elevando-se os riscos de contaminação do campo cirúrgico;

– a suspensão de contrato com seis empresas prestadoras de serviço de ortopedia;

– recorrentes atrasos nos pagamentos de fornecedores de materiais cirúrgicos hospitalares;

– abruta suspensão dos contratos de ortopedia sem planejamento;

– acumulação das funções do diretor-presidente com as de diretor-técnico.

Anexa a recomendação, estão imagens enviadas ao Ministério Público do Paraná (MP-PR), que ilustrariam a falta de condições higiene para a realização dos procedimentos cirúrgicos.

Veja:

Facebook Comentarios

Leave a Reply

Your email address will not be published.